[RESENHA]"Fragmentados" de Neal Shusterman | Por Karita Kinnups



Sinopse: Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria. Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.


Título: "Fragmentados" | Editora: Novo Conceito| Ano: 2015 | Adquira um exemplar, aqui. | Leia um trecho do livro, aqui.




Por Karita Kinnups

Esse livro é distópico, eu fiquei um pouco sem entender o que seria essa “fragmentação” ou ser um “fragmentado”, mas quando soube o significado fiquei bastante aflita. A história me prendeu desde o início. Cada capítulo é falado sobre um personagem, podendo ser Connon, Risa e Lev ou algum outro secundário.
 
Afinal, o que seria essa fragmentação?  Nada mais é que seu corpo ser partido em milhões de pedaços para ser vendido para quem precisa. O fragmentário tem em todo o momento desse procedimento, a consciência de qual parte do corpo está sendo retirada. Eles aproveitam tudo até a última gota de sangue.
 
De acordo com livro, a Lei da Vida - criada após a Guerra de Heartland - foi motivada por grupos que eram Pró-Vidas e Pró-Escolhas, permitindo que adolescentes entre 13 a 17 anos pudessem ser fragmentados, caso seus responsáveis assinassem um documento concordando com o procedimento.
 


"- Se não houvesse fragmentação, haveria menos cirurgiões e mais médicos. Se não houvesse fragmentação, eles voltariam a tentar curar as doenças em vez de só substituir órgãos ruins pelos de outras pessoas."
 
Coonor, um garoto problemático, possui um temperamento fortíssimo. Ele descobre, por acaso, que seus pais assinaram a ordem de fragmentação e em breve ele será levado para o campo da colheita.
 
Risa, pianista é moradora da casa estatal e vive sobe a tutela do Governo. E para eles adolescentes como Risa só dão despesas; então, eles resolvem fragmenta-la.
 
Lev tem apenas 13 anos e também será levado para a fragmentação. No entanto, no caso dele a situação é diferente, pois ele é um dízimo. Ou seja, Lev é mais do que um simples fragmentário, ele está oferecendo a sua vida a Deus. Em outras palavras, é uma escolha dele ser fragmentado.
 

"Você não pode mudar as leis antes de mudar a natureza humana. - Enfermeira Greta.
 
Você não pode mudar a natureza humana antes de mudar a lei. - Enfermeira Yvonne.
"
 
Os caminhos desses três se cruzam quando
estão sendo levados para a fragmentação, mas conseguem fugir, iniciando a luta pela sobrevivência.
 
Além da lei da fragmentação, que é uma questão inusitada e estranha, tem a Lei da Cegonha: se um recém-nascido for deixado na porta de alguém, essa pessoa é obrigada a ficar com a criança.
 
Fragmentados é o primeiro livro da série de mesmo nome, com quatro livros e um intermediário. O livro tem uma leitura muito empolgante e envolvente. O tema escolhido para mim é novo, mas muito inusitado e interessante. Particularmente, gostei bastante do livro.


Até a próxima, pessoal!

O Post [RESENHA]"Fragmentados" de Neal Shusterman | Por Karita Kinnups  apareceu primeiro em  Apenas Impressões Literárias.

0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...