[RESENHA]"A Sacerdotisa dos Penhascos - A Saga das Pedras Mágicas Vol. VI" de Sandra Carvalho | Por Mac Batista

Sinopse: Os Guardiães das Lágrimas do Sol e da Lua vivem finalmente em plena união. Dos seus amores nasceram Halvard e Kelda, os gêmeos sobre quem pairam profecias grandiosas e temíveis.  Halvard está nas mãos de Sigarr, o Mestre da Arte Obscura, que espera treiná-lo para ser o Guardião do Conhecimento Absoluto, e usar o imenso poder deste em seu proveito. Kelda, luta por cumprir os desígnios da Pedra do Tempo e salvar a sua própria alma, resgatar Halvard e levar a cabo a missão que herdou da sua avó Catelyn. Este é o sexto volume de uma das séries fantásticas mais acarinhadas pelos leitores portugueses.

Título: "A Sarcedotisa dos Penhascos - A Saga das Pedras Mágicas Vol. VI" | Editora: Editorial Presença| Ano: 2005 (edição 1) / 2010 (edição 2)|Nº Páginas: 416 | Gênero: Literatura Portuguesa, Fantasia, Épico, Romance| Adquira um exemplar, aqui. |Leia um trecho do livro, aqui.


Por Mac Batista

Foram dez anos acompanhando esta saga! Seis anos aguardando o momento em que teria este livro em minhas mãos para me deliciar com os escritos da autora Portuguesa renomada, Sandra Carvalho. Tendo como referência autoras conhecidas mundialmente como Juliet Mariller de "Sevewaters" e Licia Troici  de "Crônicas do Mundo Emerso", Sandra Carvalho nos brinda com mais este episódio inebriante de "A Saga das Pedras Mágicas". Para os que já acompanham o AIL, sabem que uma das primeiras resenhas aqui postada foi dedicada a esta saga. Na realidade, foi um apanhado geral dos cinco primeiros livros: "A Última Feiticeira", "O Guerreiro Lobo", "Lágrimas do Sol e da Lua", "O Círculo do Medo" e "Os Três Reinos". E vocês podem dar uma olhada na resenha, aqui e, assim, terão uma ideia do que irei abordar.

Mas vamos ao que interessa...?!

Em "A Sacerdotisa do Penhasco" nos são apresentados personagens já conhecidos dos livros anteriores da saga, como os eternos queridinhos Catelyn e Throst. Como é de costume, a autora Sandra Carvalho sempre escolhe uma personagem feminina central para ser a narradora da história.  Assim foi com a amada e eterna "Pequena" Catelyn nos dois primeiros livros e - depois - com Edwina, filha de Catelyn (Pequena Feiticeira) e Throst (Guerreiro Lobo Cinzento). Desta forma, ela consegue manter o equilíbrio de um contexto em que a soberania masculina é quase massiva! Sandra manteve a fórmula mágica, apresentando ao leitor a terceira geração de guerreiros, humanos de sangue místico e mulheres de coragem marcante

Nesta obra, o leitor acompanha a sexta parte de todo o enredo envolvendo as pedras mágicas que foi profetizada no primeiro livro "A Última Feiticeira": em que trouxe a tona a profecia do Filho do Dragão (um homem nascido da Rainha do Sol e do Rei da Lua que deteria o Conhecimento Absoluto, sendo conhecido como um Deus na Terra). Sua ascensão seria a base de muito sofrimento imposto àqueles que se levantassem contra ele, decidindo o destino dos que habitam a Terra dos Homens.

Eu sei que a maioria que está lendo esta resenha, nunca sequer ouviu falar desta saga, menos ainda leu qualquer livro a respeito. Então, para contextualizar e deixa-los mais à vontade com  a minha análise, gostaria que vocês imaginassem uma realidade regada a magia, batalhas épicas, profecias, amores impossíveis e um universo alternativo em que uma sociedade medieval tem como base a influência religiosa cristã e as práticas do 'ritos pagãos". E, para fechar com chave de ouro, essa sociedade é composta pelo Reino dos Viquingues (Vikings), Reino dos Vândalos (Vândalos), Ilha Sagrada (Feiticeiros), Povo da Terra (Elfos), Ilha dos Penhascos (Sacerdotes), Povo do fogo (Seres mágicos/monstros), Ilha Grande e Império (Humanos sem poder místico) #realizaram?! 

Ok, então, vamos adiante!

Agora, peguem isto tudo e pincelem um pouco de intriga, ambição, inveja, sendo majestosamente equilibrados com os romances que fazem qualquer um suspirar, torcer, vibrar para que o amor no fim sempre prevaleça! Não deixando de lado as batalhas sangrentas e épicas, algo tão característico neste período da História da Humanidade. Eis a fórmula perfeita para os amantes da Literatura Fantástica! Tudo é muito latente, em todos os sentidos! Digo isso - porque o leitor se sente fazendo parte de cada cena descrita, ricas em detalhes! Vocês se pegam odiando, amando - raciocinando com cada personagem!

E é com toda esta gama de emoções que surge a querida, valente, teimosa e corajosa menina de nove anos Kelda, filha de Edwina ( Guardiã da Lágrima do Sol) e Edwin (Guardião da Lágrima da Lua), neta de Catelyn e Throst. Kelda é irmã gêmea de Halvard o qual - após ser sequestrado pelo maior feiticeiro das Artes Obscuras, Sigarr - está sendo treinado para se tornar o tão temido "Filho do Dragão".  Nascida no seio de uma família de humanos mestiços - onde todos carregam a herança da magia no sangue e que todos os membros possuem algum tipo de poder místico - Kelda é a típica jovem incapaz de corresponder às expectativas de seus familiares, principalmente, por ser filha de feiticeiros.  

Aos olhos de sua família, ela é tida como um estorvo. Alguém que nasceu sem nenhum tipo de poder aparente, passando a ser tratada mais como um peso morto que não merece muitas atenções. Sem contar que tudo de ruim que acontece é por culpa dela. Coitada! Sempre está nos lugares e nas horas erradas e em situações indefensáveis, o que a faz ser vista como a ovelha negra da família.

Em contrapartida, Kelda sempre conseguiu controlar o gênio de seu irmão gêmio, Halvard (conhecido por sua má índole). E, mesmo após ouvir as histórias sobre a profecia e do quê o seu irmão seria capaz de fazer ao se tornar "O Filho do Dragão", ela acredita na possibilidade de reverter o destino da humanidade e chamar Halvard à razão... a qualquer custo! Sem conhecimento de suas próprias capacidades místicas e desacreditada pelas pessoas que a rodeiam, Kelda passa os dias sonhando em reencontrar seu irmão e trazê-lo de volta ao seio da família. No entanto, devido a uma ironia do destino, Kelda é surpreendida ao ser obrigada a se isolar de todos e tudo que ela conhece, despertando nela uma mágoa profunda pelos seus pais. 

Seu sofrimento - por ser tão rejeitada e culpada pelo sequestro de seu irmão - a tornam mais humana aos olhos do leitor e é impossível não nos simpatizarmos por ela! Peguei-me várias vezes pensando "Poxa vida, o quê mais falta acontecer com ela?!" Pois é, o impossível sempre acontece com Kelda! E me peguei rindo, incrédula, das situações! E assim ela passa os seus próximos cinco anos de vida presa a uma rotina que odeia, na Ilha dos Penhascos, junto aos Sacerdotes. E é neste lugar que ela conhece Catelyn e Throst e se torna aprendiz dos dois sem saber que eles são, na verdade, seus avós há muito tempo falecidos! Sob a proteção deles ela descobre sua magia, passando a entender e controlar o seu poder.

Conforme a leitura vai fluindo, vocês vão perceber que  Kelda é também uma adolescente apaixonada pela vida, eterna sonhadora, impulsiva, geniosa, sem papas na língua e nem sempre pensa antes de agir, por achar que suas convicções vêm sempre em primeiro lugar... e sempre se dá mal por isso! Comportamento bem típico dos adolescentes!(kakaka). Quando criança, ela desenvolveu uma paixão platônica pelo primo Throston e nutriu este sentimento por anos até descobrir que seu primo tinha um romance secreto com sua irmã de criação, Oriana.

Com mais esta decepção e, após ter a sua magia despertada e revelada, aos olhos daqueles que a desprezaram a vida toda,  ela  conhece o Príncipe da Gente Bela (Elfos), Lysander. E a química entre os dois é imediata. Porém, para o desespero de todos, Kelda demonstrar ter o dom da Arte Obscura e a Arte da Luz dentro de si, mas não sabe manter o equilíbrio de ambas. E se não recebesse o devido treinamento, a existência das duas artes em sua essência poderia ser fatal para todos os habitantes da terra. Então, Lysander toma para si a responsabilidade de treiná-la na arte da magia e, também, da guerra. Os anos se passam e o leitor conhece a Kelda em seus plenos 19 anos. Ela se tornara uma guerreira exímia, admirada e temida por muitos, além de conseguir controlar sua magia a contento. No entanto, os anos de convivência com seu mestre transforma a pequena atração em amor. 


"O dever de proteger o povo - e o que é melhor para ele - está acima de qualquer coisa, Kelda. Quando você vai entender isto?!"

Porém, Lysander segue um código de horna que não o permite casar com uma humana mestiça. Este é o primeiro de muitos empecilhos que o casal se depara no decorrer da história. É de encher os olhos quando eles estão juntos. É de angustiar o coração vê-los separados pelas adversidades impostas pelo destino, orgulho e pela teimosia de ambos. Por outro lado, o leitor acompanha o crescimento de Kelda, enquanto personagem. Sentimos na pele seus dilemas na perspectiva de mudar o destino de seu  irmão e, consequentemente, dos habitantes da Terra.

Assim como o seu irmão Halvard, Kelda descobre - com o passar do tempo - que nasceu com uma missão que é a de ser a "Decisora".  Da mesma forma que Throston é o "Executor", aquele que nasceu para matar o "Filho do Dragão", como Lysander é o "Protetor". Como "Decisora", Kelda pode mudar o destino da humanidade, mas, nem sempre, ela toma as decisões corretas, o que desencadeia uma nova trajetória na vida dos envolvidos com a profecia. O final do livro é eletrizante com as cenas de batalhas sangrentas tão característica desta época, além de uma reviravolta no último capítulo, instigando o leitor a ler o próximo livro, intitulado de "O Filho do Dragão". Foi assim comigo e, com certeza, será com aqueles que curtem este tipo de leitura! 

O gancho deixado nas últimas linhas, a gama de emoções, a sagacidade demonstrada por Kelda, deixa claro o quanto ela cresceu como ser humano (na verdade ela foi, praticamente, forçada a amadurecer antes do tempo), tornando-se uma personagem tão grandiosa que não podemos mais imaginar os próximos livros não sendo narrados por ela e por todos os personagens cativantes da história!  

Aliás, é de uma unanimidade que todos os livros desta saga - que caíram no gosto dos leitores - foram aqueles que tiveram personagem centrais marcantes! Portanto, até aqui recomendo a saga inteira para vocês lerem! Entretanto, não vou mentir: tirando os livros que tem a narrativa de Edwina (a chatinha de galocha!) e que foram salvos por personagem como Thora e Freya (irmãs gêmeas de Edwina), os demais livros são ótimos!

E, assim, me despeço de "A Sacerdotisa do Penhasco", dando os parabéns a autora Sandra Carvalho que, mais uma vez, me surpreendeu com uma escrita impecável em cada detalhe! Que presenteou seus leitores assíduos com um romance épico de encher os olhos, em todos os sentidos! A autora conseguiu dar um novo fôlego a saga, nos apresentando novos personagens apaixonantes e inesquecíveis. A Editorial Presença também está de parabéns pela capa e diagramação maravilhosa, fazendo jus ao contexto da história. 

Em tempo, já terminei a leitura de "O Filho do Dragão" e engatei na leitura do "Sombras da Noite Branca", o último volume da saga! (Meu coração chora e sangra copiosamente, por isso! Porque nunca mais lerei as histórias dos descendentes de Catelyn e Throst!)... Portanto, em breve, teremos mais resenha por aqui!

Bjins e inté!

Livros que ainda não foram resenhados:



Para comprar a saga completa (impresso e pdf) clique na imagem abaixo:



http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&uact=8&sqi=2&ved=0CCMQFjABahUKEwiI79ChurDHAhUEhJAKHdiIBNY&url=http%3A%2F%2Fwww.presenca.pt%2Fpesquisa%2Fserie%2FA%252BSaga%252Bdas%252BPedras%252BM%2525E1gicas%2F&ei=xADSVYj9FYSIwgTYkZKwDQ&usg=AFQjCNFz5XySrMvwsVanoHNFP6F4chBSMA&sig2=ed4izD0myMq8voLTX2LusA&bvm=bv.99804247,d.Y2I


O Post [RESENHA]"A Sacerdotisa dos Penhascos - A Saga das Pedras Mágicas Vol. VI" de Sandra Carvalho | Por Mac Batista  apareceu primeiro em  Apenas Impressões Literárias .

0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...