[CINEAIL] "X-Men: Dias de um Futuro Esquecido" por Eleni Rosa



É mágico assistir a um filme que o final é previsto, porém, mesmo assim, permanecemos com o espírito e o entusiasmo receptivo a cada quadro que surge na tela, tornando o final admirável, um belíssimo trabalho.
Óbvio que essa admiração não é uma graça divina, dote dos deuses, ou coisa que o valha, mas são doses de talentos reunidos e muito profissionalismo – bom roteiro, boa direção, ótimos atores, espetacular cenografia, excelentes figurinos etc. somando tudo isso, claro que a história que vai parar na telona só pode render uma enorme bilheteria e, incluindo os fãs espalhados pelo mundo todo, o sucesso está garantido. 

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido retorna com Bry Singer na Direção, o roteiro traz Simon Kinberg, Jane Goldman e Mathew Vanghn. O objetivo: unir duas histórias de HQs consagradas – “Dias de um Futuro Esquecido” que dá nome ao filme. A expectativa da produção era, com certeza, superar sucessos anteriores.

O filme uni dois universos distintos de mutantes, presente/passado, fazendo ressurgir os mutantes do excelente “Primeira Classe” e os já tarimbados personagens dos primeiros filmes. 

A história começa no futuro, quando os mutantes e toda a raça humana estão à beira da extinção devido ao extermínio iniciado a partir da invenção dos robôs Sentinelas, criados pelo Dr. Bolivar Trask (Peter Dinklage), o vilão da história – por sinal muito fraquinho.

As armas berrantes são concebidas para eliminar seres com mutações, porém elas não eliminam só mutantes, também conseguem detectar o gene nos seres humanos, passando a eliminar as pessoas que futuramente possam desenvolver alguma anomalia genética.



Com a tela mergulhada em imagens apocalípticas, os X-Men são poucos na face da terra, e para sobreviver um grupo tenta enganar os Sentinelas viajando no tempo. Esse grupo é formado por ex-alunos de Xavier: a telepata Kitty Pride (Ellen Page), o Homem de Gelo Bobby (Shawan Ashmore), Blink (Fan BingBing), Colossus (Daniel Cudmore), Apache (Boobo Stewart), Mancha Solar (Adan Canto), Bishop (Osmar Sy) entre outros...

Os ex-alunos se juntam ao grupo de veteranos Xavier, Magneto, Wolverine e Tempestade. Juntos eles têm a ideia de enviar a consciência Wolverine, quase 50 anos, no passado - o único com capacidade para suportar uma viagem no tempo tão longa – para impedir a criação dos robôs Sentinelas. A ideia é arriscadíssima. Imaginem, aterrissar nos anos 70 e reencontrar os jovens Magneto e Xavier (James McAvoy e Michael Fassbander) e tentar persuadi-los a deixarem as diferenças de lado e se unirem para impedir Mística (Jennifer Lawrence) de matar o inventor dos Sentinelas, Dr. Trask, só assim é possível evitar a onda de ódio aos mutantes, pois depois do assassinato, Mística seria capturada e seus poderes ajudariam a criar os super Sentinelas, com a capacidade de adaptação a qualquer poder mutante.


Wolverine viaja e acorda em 1973. Na Mansão X, ele encontra Xavier e Hank McCoy arrasados, devido a Guerra do Vietnã, o Instituto Xavier para Jovens Superdotados foi fechado, pois a maioria dos professores e os alunos foram convocados para lutarem na guerra. Para surpresa de Wolverine o jovem Xavier, recuperou sua capacidade motora devido a um soro criado por McCoy, porém, como efeito colateral, tem seus poderes telepáticos prejudicados.
A história do filme brinca com a trágica história da década, pois Wolverine convence Xavier a libertar Magneto de uma prisão no Pentágono...e adivinhem a acusação...Magneto foi acusado de assassinar nada mais, nada menos que John F. Kennedy, o querido presidente Democrata. E, detalhe, posteriormente, Magneto revela que ele não matou o presidente, e sim estava tentando protegê-lo, pois JFK era mutante. 

Para libertar Magneto Wolverine tem a ajuda de um mutante super rápido, e por alguns momentos roupa a cena, é bom ficar ligado.
Ao acordar na era ‘hippie’ é preciso elogiar os figurinos de Louise Mingenbach, pois merecem os parabéns, pois mesclam entre o colorido das HQs e a recriação de época, muita peruca, couro, veludo, saias curtas, bigodes, cores vibrantes e psicodélicas. 



No período de 1973, a era em que a Casa Branca passou por muitos contratempos, nada mais próprio que colocar, no olho do furacão, o presidente Richard Nixon, afinal ele foi personagem principal do escândalo de espionagem – Watergate, que lhe custou à presidência. Bem, com tantos fatos escusos em seu currículo... foi justo acrescentar o extermínio da humanidade (Nossa! Ual!). Assim, Nixon é o responsável pela assinatura do projeto que cria os robôs Sentinelas. É, essa história é bem contada na tela. 
Não vou contar mais novidades do filme, caso contrário perde toda a graça assisti-lo. Diga-se de passagem, vale muito a pena sentar no escurinho do cinema, com o balde de pipoca na mão e refri do lado para apreciar a obra.

Por Eleni Rosa

0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...