[CINEBOOK] "A Hora mais Escura", de Katheryn Bigelow

(Foto: Imagem Filmes)
Sinopse: Por uma década, uma equipe de elite de militares americanos trabalharam secretamente por todo o planeta determinados a atingir uma única meta: achar e eliminar Osama Bin Laden. Dirigido por Katheryn Bigelow (Guerra ao Terror), "A Hora Mais Escura" é um suspense de ação que mostrará como a Casa Branca caçou Osama Bin Laden.

Trecho:
"Eu vou explodir todos envolvidos nesta operação e depois irei matar bin Laden!"
Resenha: A frase poderia ter sido vociferada por um dos atores convidados por Sylvester Stallone para atuar em um dos filmes de sua mais nova franquia Os Mercenários. Pra ser sincero, posso até imaginar Dolph Lundgren, Jason Statham ou Chuck Norris enchendo o peitoral, levantando a sobrancelha e dizendo a aludida frase cheio de orgulho. Cheios de si.

Entretanto, Maya, a dona da manifestação acima, a disse sem nenhuma afetação. Sem caras e bocas. Sem o orgulho bobo inerente aos estadunidenses patriotas retardados que se acham cheios de razão.

Ela vociferou a assertiva apenas com ódio no olhar.

Um filme escuro, sobre uma época escura...

Jessica Chastain
 (Foto: Imagem Filmes)
A cena em que esta frase é dita resume o sentimento do filme. Longe de ser um filme patriota piegas, "A Hora Mais Escura" (da diretora vencedora do Oscar Katheryn Bigelow) toca na ferida estadunidense com um dedo comprido e acerta bem aonde dói: na consciência.

Acredito que deva ser difícil para um estadunidense assistir sem remorso à encenação do que acontece nos galpões das bases militares espalhadas pelo Oriente Médio. Onde suspeitos são espancados, torturados e humilhados em troca de informação. Deve ser difícil também se dar conta de como muitos destes suspeitos, por puro ódio, omitem informações importantíssimas que poderiam salvar centenas ou milhares de pessoas se reveladas à tempo.

Deve ser difícil se sentir como uma ameaça e um alvo ao mesmo tempo. Assistindo ao mesmo filme.

James Gandolfini
 (Foto: Imagem Filmes)
"A Hora Mais Escura" já faturou mais de 56 prêmios e ainda foi indicado à cinco estatuetas no Oscar, incluindo Melhor Atriz (Jessica Chastain) e Melhor Filme. Também, não é pra menos. O cast é poderoso e conta com Jason Clarke, que está tão bem como o torturador Dan que nos faz odiá-lo e adorá-lo ao mesmo tempo. Jennifer Ehle é outra atriz que está magnífica. James Gandolfini, como sempre, não fez feio e participa de uma das cenas mais hilárias do filme.

Jessica Chastain, que interpreta a agente Maya, está em ótima fase. A atriz já havia despertado minha curiosidade em "A Árvore da Vida" e foi a única coisa interessante de "Os Infratores". Em "A Hora Mais Escura", Chastain nos prova que veio pra ficar. Ela foi indicada ao Oscar e o curioso é que ela nem era a primeira opção dos produtores do filme para viver Maya, que seria interpretada por Rooney Mara (A Rede Social). Melhor para Chastain que, além da indicação aos Academy Awards (e possível chance de vitória), ganhou, até o momento, os seguintes prêmios de melhor atriz:

Broadcast Film Critics Association Awards;
Chicago Film Critics Association Awards;
Dallas-Fort Worth Film Critics Association Awards;
Florida Film Critics Circle Awards;
National Board of Review;
Online Film Critics Society Awards;
Vancouver Film Critics Circle;
Washington DC Area Film Critics Association Awards.

Além de ter ganho o Globo de Ouro, o que a torna uma das favoritas a ganhar o Oscar, ao lado de Jeniffer Lawrence (O Lado Bom da Vida).

 Mark Strong
(Foto: Imagem Filmes)
Além do elenco fora de série, a fotografia do filme é incrível e eu achei uma injustiça que o filme não tenha sido indicado ao Oscar.

O filme foi indicado a outras quatro categorias: Melhor Edição de Som, que vai levar fácil, pois o som do filme é incrível. A sala em que o assisti (Estação Sesc Rio, durante a cabine de imprensa promovida pela Imagem Filmes) é ótima e deu pra curtir cada detalhe. Na cena da bomba no restaurante eu quase levantei da poltrona, tamanho o susto que levei.

Foi indicado ainda para o Oscar de Melhor Edição, Melhor Roteiro Original e Melhor Filme.

"A Hora Mais Escura" pode levaro Oscar de Melhor Roteiro Original, apesar de eu apostar que Quentin Tarantino vai acabar levando o troféu pra casa por "Django Livre". Mas não ganhará Melhor Edição, que ficará com "Lincoln" (de Steven Spielberg) e nem Melhor Filme que irá pra "Argo" (de Ben Affleck).

Que fim levou Osama?

Curioso que este filme já estava planejado antes mesmo que Bin Laden fosse, de fato, capturado e morto pelo poderio americano. Após isso, o roteirista Mark Boal teve que reescrever o script, atualizando-o. "A Hora Mais Escura" se tornou, do dia para a noite, uma história sobre a vitória militar e política de Barack Obama, quando era, originalmente, uma história sobre os 10 anos de fracasso em capturar Osama Bin Laden.

Mas, cá entre nós: Osama Bin Laden foi realmente capturado e morto pelos EUA?

Se você procura a resposta pra esta pergunta, recorra aos sites de notícias ou de teóricos da conspiração que estão espalhados pelos servidores da internet mundo afora. No entanto, se acha que encontrará a solução para esta questão no filme "A Hora Mais Escura", pode acabar ficando frustrado.

Teriam eles matado Bin Laden?
(Foto: Imagem Filmes)
Pois é! O filme não revela o que realmente aconteceu naquele dia 02 de maio de 2011. Não há um corpo que evidencie que aquele habitante do terceiro andar da casa onde supostamente o terrorista estava escondido era de fato Osama. Seu nome sequer é mencionado após abaterem o homem que os militares alegaram ser o terrorista e nem mesmo Maya, a agente da CIA que fez o reconhecimento do corpo, ousou pronunciar seu odioso nome. Na cena final, Maya, que havia finalmente cumprido a missão de sua vida, chora.

Nada mais comum chorar nesse momento. Afinal, ela lutou por anos com o objetivo de desmantelar a Al Qaeda e capturar Osama Bin Laden e, tendo em vista sua declaração, havia finalmente conseguido concluir seu maior objetivo.

Mas não é, definitivamente, um choro de alegria por ter cumprido sua missão. Pareceu-me um choramingar de frustração por ter feito parte de uma jogada meramente política. 

De todo modo, acho que ter deixado esta dúvida no ar foi uma decisão acertada. Cria um clima de debate e reflexão sobre o assunto.

Rock on! (Marlo George)

Maya, a agente que, supostamente, achou Bin Laden.
(Foto: Imagem Filmes)

Ficha Técnica:
A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty, 2012)
Direção: Kathryn Bigelow
Elenco: Chris Pratt, Jessica Chastain, Joel Edgerton, Frank Grillo, Scott Adkins, Jennifer Ehle, Mark Strong
Classificação: 14 anos - Violência


0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...