[CINEBOOK] "O Cavaleiro das Trevas Ressurge", de Christopher Nolan

Cartaz nacional
Filme: "O Cavaleiro das Trevas Ressurge" ("The Dark Knight Rises", 2012, Warner Bros / Legendary)
Diretor: Christopher Nolan
Elenco: Christian Bale, Gary Oldman, Tom Hardy, Joseph Gordon-Levitt, Anne Hathaway, Marion Cotillard, Morgan Freeman, Michael Caine
Duração: 164 min


Trecho:
"Por que caímos, Bruce...?" (Batman Begins)

Sinopse:
Oito anos após os ataques do Coringa à Gotham, graças à Lei Dent, a cidade vive dias de paz. Porém, um homem de grande intelecto e grande força chega para desafiar nosso heroi e nada mais será o mesmo...

Resenha: Maravilhoso. Estupendo. Um magnífico roteiro, construído minuciosamente. Uma história que nem parece filme baseado em histórias em quadrinhos de tão surpreendentemente real. Um vilão interpretado de forma ímpar, merecendo indicação ao Oscar. Enfim, um grande filme, que já nasceu clássico!

É óbvio que estamos falando do filme anterior, estrelado por Heath Ledger. Já sobre o filme atual... Bem...

Comissário Gordon (Gary Oldman) na cerimônia
de homenagem a Harvey Dent
É realmente estranho ter de falar de um terceiro filme do Batman, tendo assistido inúmeras vezes ao segundo filme e percebendo que não haveria necessidade alguma de ser produzido mais algum exemplar da franquia. Quer dizer, sabemos que a única necessidade foi fazer mais dinheiro. Pode não ser um bom motivo para muitos mas é um motivo plausível quando se trata de um produto...

O abatido Bruce Wayne (Christian Bale)
e seu mordomo Alfred (Michael Caine)
Nesta nova aventura, Batman está ausente há oito anos - embora a versão dublada diga que foram sete - e Bruce Wayne (ainda o competente Christian Bale) também desapareceu da vida pública. As pessoas até inventam histórias maldosas sobre o blilionário, como se ele fosse um excêntrico a la "Cidadão Kane". O simples roubo de um colar de sua propriedade por Selina Kyle (Anne Hathaway) é o estopim para fazê-lo repensar sua reclusão, que, indiretamente, afeta toda uma cadeia ao seu redor, revelando (mais) podres e esquemas de corrupção em sua empresa e criando um roteiro um tanto forçado no que se refere a coincidências demais em relação aos acontecimentos mostrados na película.

O policial John Blake (Joseph Gordon-Levitt)
em ação
Causa muita estranheza, devo admitir, ver um diretor tão preocupado com a história a ser contada entregar um filme com tantas pontas soltas, sem resolução. Ainda que o espectador goste do filme e se divirta durante a exibição, algumas perguntas virão à sua mente como "como é que 'fulano' descobriu isso?", "por que 'Siclana' tem tanto medo de 'Beltrano' e qual sua ligação anterior com ele?" ou "que diabos aconteceu no final???". Nenhuma dessas perguntas são respondidas e nem insinuadas...


A gatuna Selina Kyle
(Anne Hathaway)...
A impressão que temos é que o filme não conseguiu resolver três dos principais problemas à que se propôs: administrar uma história com um vilão mais carismático que o do segundo filme, resolver múltiplas subtramas de forma satisfatória e fechar a trilogia amarrando todas as histórias. É muita coisa para um filme só e também é complicado tentar algo do gênero e achar que vai ser bem sucedido - Trilogia Matrix, alguém?

...e sua contraparte nas histórias
em quadrinhos (por Tim Sale)

Tecnicamente falando, é um filme acima da média. Trilha sonora satisfatória de Hans Zimmer e companhia. Direção de fotografia clautrofóbica na medida exata de Wally Pfister com esperta montagem de Lee Smith. Efeitos sonoros, pirotecnia, maquiagem, figurino, tudo colabora para o espetáculo audio-visual em conjunto com a história como poucos filmes atuais conseguem.

A cinessérie do homem-morcego pode ser dividida por temas. Enquanto o primeiro filme lidava com o medo e suas variações, o segundo tentava dar alguma luz sobre a eterna luta entre o caos e a ordem. Este terceiro mostra como lidar com a dor. "Por que caímos, Bruce...?", perguntou o pai do protagonista, ainda no primeiro filme. E essa pergunta permeia toda a história até seu clímax quando... Bem, vocês terão de ver para saber o que acontece de fato.

Cartaz nacional
Não, não é um filme ruim como "O Espetacular Homem-Aranha", por exemplo - pelo contrário! Mas também não é essa maravilha toda que estão alardeando por aí, dizendo que o diretor finalmente merece o Oscar ou pelo menos a intérprete da Mulher-Gato... Que, no fim das contas, nem é chamada assim por ninguém!
Se existe um grande pecado nesta história é justamente ter existido o segundo filme. Ele deu um novo sentido ao termo "suspensão de descrença". Tudo era muito real! Enquanto que no primeiro e terceiro, há fantasia demais. É difícil crer que tudo ali pode acontecer de fato. Não à toa confessei certa vez a um amigo que o Batman era um ser impossível de existir. Se o mesmo que acontecesse com ele ocorresse com uma pessoa da vida real, ele seria um policial, bombeiro, qualquer coisa, menos alguém que se veste de morcego para espancar quem faria algo parecido com o que lhe ocorreu na infância...

Porém, enquanto muitos reclamaram que o Batman dos filmes de Nolan era completamente diferente do Batman dos quadrinhos, este filme rende uma grande homenagem a muitas das adaptações feitas na nona arte, cinema e TV, que vai entreter os fãs mais antigos.

O filme entretém e surpreende mesmo a quem acha que sabe o final desde que saíram as primeiras notícias na mídia. Adiciona um pouco de humor em algumas sequências, algo um tanto irônico para essa franquia! Mas não, não é isso tudo... Vá com baixíssimas espectativas e, quem sabe, vai se divertir bem mais... Como tudo na vida!

Kal J. Moon entrou numa cachoeira e encontrou uma caverna cheia de aparatos tecnológicos. Mas preferiria encontrar dinheiro! Afinal de contas, o ingresso do cinema está cada vez mais caro...

Trailer oficial

[BOOKTOUR] "A Garota do Outro Lado da Rua"- BOOK TOUR de Lycia Barros

A Garota do Outro Lado da Rua
Lycia Barros - Novo Século
113 páginas - Ano: 2012

Sinopse: Enzo é um menino intelectual e aplicado nos estudos que não se importa em ser ridicularizado pela maioria dos colegas de turma. Ao lado de seu amigo Leandro, entra e sai do colégio com uma vida monótona e sem grandes emoções. Entretanto, há alguém que sempre balança a serenidade de Enzo: Rafaela, sua vizinha de frente, por quem Enzo é apaixonado desde a infância e é sua colega de turma. Porém, linda e popular entre os estudantes, Rafaela não se dá conta da sua existência até que um dia, em uma excursão do colégio, ambos se perdem juntos na mata. Rafaela e Enzo começarão a se conhecer melhor e perceberão o quanto estavam enganados a respeito um do outro. Mas será que esse conhecimento resultará em uma grande amizade? Será que o amor de Enzo sobreviverá além das aparências? Afinal, quem é verdadeiramente a garota do outro lado da rua?

Resenha: "A Garota do outro Lado da Rua" conta a história de Enzo e Rafaela. Dois adolescentes que "vivem em mundos diferentes". Ele é o típico garoto tímido, estudioso e "nerd" da escola, o que significa que é um adolescente de poucos amigos. Ela é comunicativa, linda...desejada pelos meninos e invejada pelas meninas, o que lhe proporciona uma vida social bem agitada. 

Enzo é apaixonado por Rafaela desde que se entende por gente. E, apesar de estudarem na mesma turma e serem vizinhos, nunca trocaram uma palavra sequer. No entanto, essa realidade começa a mudar quando - em um dia de excursão escolar pela Floresta da Tijuca - eles são surpreendidos por bandidos e... Bem para vocês saberem como termina, terão que ler o livro (rsss). Ah! Acham mesmo que contaria a história toda?! Tá bom!!!...(rssss).

Voltando a resenha... Esta é uma típica história teen que - apesar de ter um público-alvo específico - pode ser lida por pessoas de qualquer faixa etária. E mesmo com os clichês do gênero, o romance consegue surpreender o leitor. 

Um ponto positivo é que a autora, Lycia Barros, consegue atingir o objetivo ao qual se propôs: usar contextos próximos à realidade do universo adolescente. Um bom exemplo são as citações de seriados como Lost e Discovery Channel, além da "Tecnologia Teen" como os Ipad's e do herói infanto-juvenil de todos os tempos... Harry Potter! A descrição da Floresta da Tijuca, da botânica e dos pontos turísitcos nesta existentes: O Lago das Fadas, Vista do Almirante e a gruta Luis Fernandes é de encher os olhos. Tanto que a autora consegue despertar a vontade no leitor de colocar uma mochila nas costas e se aventurar em "um dia de trilha" por esta maravilha natural que está logo alí!

Importante ressaltar que, ao final do livro, o leitor encontra um "suplemento de  leitura" onde o mesmo tem a chance de colocar em prática a  sua "compreensão de texto". É bem gostoso e não dói nem um pouquinho dispensar alguns minutos do dia para responder as perguntas (rssss), o que torna válida a proposta da autora de trabalhar com seus livros em salas de aula. Aliás, a formatação do livro realmente possui essa didática. Portanto, parabéns!!!

Enfim, "A Garota da Rua ao Lado" possui uma leitura rápida que flui com facilidade e é high/hiper/ultra/super juvenil. E, acima de tudo, aborda temas que são atemporais. E, apesar da história ter um final supreendente e bem legal, achei que este foi "muito rápido". Tanto que me arrisco a dizer que o mesmo poderia ter sido melhor desenvolvido para que os leitores saboreassem com maior prazer o Gran Finale, evitando a sensação de "prêmio de consolação".

Moral da história: nem sempre as coisas acontecem como desejamos e que "(..) beleza não é tudo. Além da forma. Tem que ter conteúdo. Senão você. Se torna descartável. Que nem uma boneca inflável (...)" [palavras de Gabriel - o pensador]. #ficaadica...

Portanto, recomendo!!!

Bjins e inté (Mac Batista)

TeaserBook:

 

===============>
 
Lycia Barros A autora  reside com o marido e os filhos em sua cidade natal: Rio de Janeiro. Hoje, como sua função principal, atua apaixonadamente como escritora. Paixão essa, herdada desde que cursou letras na UFRJ. Seu primeiro romance foi o livro que já é sucesso "A Bandeja- qual pecado te seduz?" lançando em Outubro de 2011. Em seguida, os livros: "Entre a Mente e o Coração" (Coleção Despertares) e "Tortura cor-de-rosa" (Geração Z). Uma excelente escritora!

<===============

[LANÇAMENTOS & NOVIDADES #30]: Editora Nemo

O Incrível Cabeça de Parafuso e Outros Objetos Curiosos
Mike Mignola (Tradução: Cassius Medauar)

Título original: The Amazing Screw-On Head and Other Curious Objects
Páginas: 104
Formato: 17,5 x 26,5
Acabamento: capa dura


Máquinas voadoras vitorianas, uma cabeça mecânica, roubos de tumbas, fantasmas, bruxas, marionetes, alienígenas e vegetais gigantes: um vertiginoso desfile de curiosidades encontra-se reunido nesta coletânea, incluindo as HQs ganhadoras do Prêmio EisnerO Incrível Cabeça de Parafuso” e “O Mágico e a Cobra”, além de três outras histórias nunca antes publicadas e mais material inédito do criador do personagem Hellboy.


Corto Maltese – As Helvéticas
Hugo Pratt (Tradução: Reginaldo Francisco)

Título original: Corto Maltese – Les Helvétiques
Páginas: 96
Formato: 21,5 x 28,5
Acabamento: capa dura


Uma das mais fabulosas aventuras do personagem Corto Maltese finalmente chega ao Brasil! Mistura de sonho iniciático e passeio pela iconografia medieval, com seus esqueletos dançantes e cavaleiros de armadura, este novo volume da série traz toda a poética visual e a criatividade artística que fizeram de Hugo Pratt um mestre dos quadrinhos mundiais. Uma deliciosa aventura em busca do Santo Graal e um irresistível convite para decifrarmos o enigma da “rosa alquímica”.

Sobre o autor
Hugo Pratt nasceu em 1927 na Itália e morreu em 1995, na Suíça. Conhece, em 1945, o artista Mario Faustinelli, com quem começa a trabalhar com histórias em quadrinhos, fazendo parte do Grupo de Veneza, junto a outros artistas. Em 1949 viaja à Argentina, trabalhando para a revista Asso di Picche, regressando em 1962. Em 1967 une-se a Florenzo Ivaldi, empresário genovês apaixonado por histórias e quadrinhos, e lançam a revista Sgt. Kirk, onde aparecem as primeiras histórias de A balada do mar salgado, com Corto Maltese. A partir da segunda metade dos anos 70 e nos anos 80, Pratt desenvolve as aventuras do personagem.


A Garagem Hermética
Moebius (Tradução: Fernando Scheibe)

Título original: Le garage hermétique
Páginas: 120
Formato: 24 X 32
Acabamento: capa dura
Leia um capítulo do livro clicando aqui


Totalmente autoral, um tanto caótica, delirante, cômica e poética, A Garagem Hermética é uma das obras mais conhecidas e celebradas do genial Moebius. Uma aventura singular que mistura elementos do faroeste e da ficção científica, dos quadrinhos de super-heróis e do misticismo. Neste quarto volume da Coleção Moebius, essa HQ clássica chega numa edição mais completa, com nova tradução, introdução do autor, capa dura, papel de alta qualidade e formato europeu original. Uma obra essencial para os leitores de quadrinhos e os fãs de ficção científica.

Sobre o autor
Moebius é o criador de uma obra absolutamente original e inovadora. Dono de um traço inconfundível e também incrivelmente mutável, esotérico e surrealista, futurista e atemporal, inimitável e muito copiado, um gênio da luz e do espaço, ele mudou definitivamente a história dos quadrinhos e das artes visuais na segunda metade do século 20.

Rock on, abração carioca, bjins e inté!
(Equipe A.I.L)

[LANÇAMENTOS E NOVIDADES #29]: Editora L&PM

Capa da edição
brasileira

SOLANIN 1
Inio Asano
Tradução de Adriana Kazue Sada
Preparação de Alexandre Boide


Título Original: SOLANIN 1
Catálogo: Coleção L&PM Pocket
Gênero: Quadrinhos
Série: Mangás Quadrinhos


A Série L&PM Pocket Mangá  traz ao leitor brasileiro as melhores histórias e autores de quadrinhos do Oriente, com opções para todas as idades. E, Solanin 1, do premiado quadrinista japonês Inio Asano, o jovem casal de namorados Meiko e Taneda decide dar uma virada em suas vidas e ir atrás de seus sonhos de música e liberdade.

Capa da edição
brasileira


SOLANIN 2
Inio Asano
Tradução de Adriana Kazue Sada
Preparação de Alexandre Boide


Título Original: SOLANIN 2
Catálogo: Coleção L&PM Pocket
Gênero: Quadrinhos
Série:Mangás Quadrinhos


Na ausência de Taneda, cabe a Meiko manter vivo o espírito da banda e a união de seu grupo de amigos. Tendo que enfrentar momentos difíceis, atormentada pela depressão e pela falta de perspectivas profissionais, ela ainda precisa subir ao palco
para interpretar uma canção muito especial: "Solanin".

Publicado originalmente na revista Weekly Young Sunday entre 2005 e 2006, Solanin foi indicado em 2009 aos prêmios Eisner e Harvey de melhor mangá publicado nos EUA no ano anterior. Em 2010, foi lançada nos cinemas do Japão a versão cinematográfica da série estrelada pela cultuada atriz japonesa Aoi Miyazaki.

Sobre o autor
Inio Asano nasceu em 1980 na província de Ibaraki, no Japão. Em 2001, ganhou o prêmio GX, dedicado a revelar o talento de jovens autores de mangás. Nesse mesmo ano, publicou sua primeira HQ, “Uchuu Kara KonnichiWa” (“Saudações do espaço”), na revista Sunday GX, da editora Shogakukan. Solanin é sua série de maior sucesso, publicada com destaque na Europa, nos Estados Unidos e na China.


AVENTURAS DE MENINO
Mitsuru Adachi
Tradução de Adriana Kazue Sada
Preparação de Alexandre Boide


Título Original: BOKEN-SHONEN
Catálogo: Coleção L&PM Pocket
Gênero: Quadrinhos
Série:Mangás Quadrinhos



Em Aventuras de Menino, o mestre japonês Mitsuri Adachi explora, com a delicadeza que lhe é característica, a saudade da infância e a melancolia de tornar-se adulto.

Sobre o autor
Mitsuru Adachi nasceu em 1951 em Isesaki, no Japão. Estreou nos mangás em 1970 e vem publicando regularmente desde então. Nesses mais de quarenta anos de carreira, seus títulos, entre os quais se destacam os megassucessos Touch, Miyuki e Cross Game, atingiram a impressionante marca de mais de 200 milhões de exemplares vendidos no Japão. Vários de seus quadrinhos já foram adaptados para o cinema e para a TV, e o autor é considerado, junto com Rumiko Takahashi, um dos responsáveis pelo sucesso da revista Weekly Shonen Sunday, que já teve inclusive um número inteiramente dedicado à sua obra.

Essas obras saíram aqui no Brasil originalmente em novembro de 2011 mas é sempre bom dar uma olhada em mangás com temas mais adultos, ainda mais com um precinho tão bom, né?

Indicação de Marlo George

Rock on, abração carioca, bjins e inté...!
(Equipe A.I.L)

[LANÇAMENTOS & NOVIDADES #28] A Grama do Vizinho é Mais Verde de Kerstin Gier

A Grama do Vizinho é Mais Verde
Kerstin Gier

Chega ao Brasil o romance feminino Top 10, das listas dos
mais vendidos, em vários países da Europa.


Se você pudesse voltar no tempo e viver os últimos cinco anos de novo, faria exatamente o que fez? O que você mudaria? A Grama do Vizinho é Mais Verde, fala sobre o amor e as dificuldades de se mudar o próprio destino – numa trama divertida e surpreendente.

Kati é uma mulher jovem e razoavelmente feliz com seu marido, o Félix. Porém, depois de cinco anos juntos, às vezes se pergunta se seria mesmo uma boa ideia passar o resto da vida com ele. Um encontro casual com Mathias, pôs fogo nesse oculto rastilho de pólvora.

Eles se conheceram num workshop de empresa. Kati pareceu ser a única mulher do mundo que não deu mostras de ficar impressionada com os atributos do bonitão. Isso mexeu com a vaidade do cara, que a teria esquecido rapidamente, não fosse um SMS. O torpedo, enviado por Kati a uma amiga íntima, por engano foi parar no celular de Mathias. Ele respondeu. E a partir daí, a vida de Kati, Félix e Mathias nunca mais seria a mesma.

Sobre a autora: Kerstin Gier nasceu em 1966 e desde criança queria ser escritora. Estudou literatura germânica e inglesa, e também música. Depois de se formar, por falta de melhor opção, trabalhou como recepcionista e secretária. Só aos 30 anos conseguiu publicar o primeiro romance: "Homens e outras catástrofes", que acabou virando filme, com a belíssima atriz Heike Makatsch no papel principal. Nos últimos 15 anos, Kerstin Gier publicou 32 livros! Alguns traduzidos para vários idiomas, às vezes, sob os pseudônimos de Sophie Berard ou Jule Brand. Este, “A grama do vizinho é mais verde”, foi lançado originalmente na Alemanha em novembro de 2011, e logo chegou ao topo das listas de bestsellers.

Ficha técnica:
Título: A Grama do Vizinho é Mais Verde
Autor: Kerstin Gier
Preço: R$ 29,90
Número de páginas: 272
Formato: 160 x 230 mm
Publicado no Brasil por: Editora Europa
ISBN: 9788579601293

Onde encontrar: nas principais livrarias, no site da Editora Europa ou pelos telefones (11) 3038-5050 (SP) e 0800 8888-508 (outras localidades).


Sobre a Editora
Fundada há 25 anos, a Editora Europa é uma empresa de capital 100% brasileiro. Atualmente, com mais de 100 funcionários, publica 16 revistas, afora guias, livros ilustrados e literatura.

Rock on, abração carioca, bjins e inté...
Equipe A.I.L 

[RESENHA] “Heroína e Rock n´Roll – O diário de um ano devastador na vida de uma estrela do rock”, de Nikki Sixx

Título: Heroína e Rock n´Roll – O diário de um ano devastador na vida de uma estrela do rock
Autor: Nikki Sixx

Editora: Larousse do Brasil | 2008 | 448 páginas | Capa Dura


Resenha:
Existem pessoas das quais nós não esperamos muita coisa, além daquilo que elas já nos mostraram. Nikki Sixx era um exemplo destas pessoas. Nunca esperei dele nada, além de músicas insanas e contagiantes, fofocas escandalosas estilo celebrity rehab ou Michael Douglas style, extravagâncias, quartos de hotel destruídos ou qualquer outra coisa do gênero. Porém, quando ele soltou sua pseudo-autobiografia, escrita em parceria com o jornalista Ian Gittins, a coisa mudou. Radicalmente.

Sexo, Drogas (muitas drogas) & Rock n´Roll...

“25 de Dezembro de 1986


Feliz Natal.

Bem, é o que as pessoas dizem no Natal, certo? Normalmente, elas tem alguém a dizer. Tem amigos e familiares à sua volta. Não foram encontradas nuas, com uma agulha no braço, como um louco, sob uma árvore de natal, numa mansão em Van Nuys. Não estavam fora de si, escrevendo num diário e também não estavam passando essa importante data religiosa congelando o próprio sangue numa colherinha…”
Nikki Six
Assim começa um dos mais corajosos depoimentos sobre o vício em drogas já publicado. “Heroína e Rock n´Roll – O diário de um ano devastador na vida de uma estrela do rock”, do músico Nikki Sixx é um livro obrigatório, não só para quem é fã do Motley Crüe mas para todos que se interessam pelo tema das “drogas”.

Nikki baseou o livro em um diário que escreveu durante as gravações, lançamento e turnê do álbum "Girls, Girls, Girls", de sua banda Motley Crüe. Neste diário, ele escreveu sobre todas as suas angústias, alegrias, tristezas e desventuras, geralmente vividas ao lado de coadjuvantes famosos. Naquela época, apesar do sucesso profissional, ele estava no fundo do poço por seu vício em heroína e cocaína. Dia após dia, acompanhamos a jornada do músico pelo lado escuro do mundo e podemos experimentar um pouco desta experiência, o que torna dificílima a tarefa de ler o livro. É um livro pesado, desesperado, uma viagem louca pra dentro de uma mente viciada, contraditória, que, ao mesmo tempo em que tenta mostrar força, revela toda a sua fraqueza, como podemos ver no trecho abaixo:

“Há algo engraçado sobre a heroína. Na primeira dose, você se entrega, sente-se doente e não consegue se mover. (...) Você acha que é a droga mais estúpida que existe. Só mesmo sendo muito estúpido para usá-la de novo. Então, porque eu a usei de novo? Porque meus heróis usaram...”.
Nikki Six

Os relatos de Nikki são acompanhados por depoimentos de pessoas que o conheciam na época ou que testemunharam os fatos, dando um novo enfoque das situações, ora cômicas, ora trágicas, vividas por Mr. Sixx. Entre estes os mais importantes são Vince Neil, Tommy Lee e Mick Mars (parceiros de Nikki no Motley Crüe), assim como Slash (que salvou sua vida - leia e veja como), o ex-empresário Doc McGhee, e a modelo Vanity (que namorou Nikki na época em que o diário foi escrito e é mais conhecida por ter estrelado o filme “O Último Dragão”, ao lado de TaimakBruce Leroy”). O livro é ricamente ilustrado com fotos, ilustrações do autor e a edição brasileira conta ainda com encadernação em capa dura e dust jacket.






Trilha Sonora do inferno!

A banda Sixx A.M. (projeto solo do autor, com James Michael e D.J. Ashba) lançou uma trilha sonora para o livro na época de sua publicação. "Heroin Diaries Soundtrack" é um petardo, um dos melhores discos de hard rock de todos os tempos. Compre o livro, o CD e consumam os dois juntos. Se algum de vocês, leitores do A.I.L., sair ileso, me conte...

Marlo George não tem um diário viciado mas tem dados.




Trilha sonora: Sixx:A.M. - Life is Beautiful

[PARCERIA] Editora Europa

Boa tarde, queridos leitores!!!

Hoje, trazemos para vocês uma ótima notícia: o A.I.L firmou parceria com a Editora Europa!
Estamos muito felizes!!! E é lógico que não poderíamos deixar de compartilhar essa nova conquista com aqueles que estão sempre torcendo e acompanhando nosso querido blog! Que venham outras parcerias, pois estamos trabalhando, e muito, para isso.

Sobre a Editora Europa

Fundada há 25 anos, a Editora Europa publica regularmente 16 revistas temáticas, afora guias, livros ilustrados e literatura. Atualmente, com mais de 100 funcionários, a Editora Europa é uma empresa de capital 100% brasileiro.

Uma Breve História

No primeiro semestre de 1986, o mundo estava em crise. A União Soviética dava mostras de estar indo a pique; o general Pinochet decretava estado de sítio no Chile; um vazamento de urânio na usina atômica de Chernobyl fazia centenas de vítimas e a Challenger, o orgulho da tecnologia espacial norte-americana, explodia no ar minutos depois do lançamento. Mas no Brasil, com o Plano Cruzado, a vida era bela e o futuro, alvissareiro. Tão promissor que quatro executivos da Editora Abril juntaram as economias e largaram seus bons e velhos empregos para montar uma nova editora. “Uma editora com todas as virtudes da Abril - e nenhum dos defeitos”, dissera um deles.

Em todo caso, a Editora Europa só começou a funcionar no dia 11 de dezembro de 1986. Àquela altura, o mesmo Presidente Sarney que, nove meses antes, congelara os preços e salários, já havia ganho as eleições de 15 de novembro e, menos de uma semana depois, autorizado aumentos de 60% na gasolina, 120% nas tarifas de telefones e energia, 100% no preço das bebidas e 80% no dos automóveis. A festa acabara. Era o começo do fim do Plano Cruzado – e o início de atividades da Editora Europa.

Não foi fácil. Com uma inflação anual chegando a inacreditáveis 5.200%, a moeda brasileira, que era Cruzeiro e tinha virado Cruzado Novo, depois voltou a cruzeiro real e, finalmente, para real, passando por uma tal de URV. Que loucura! Uma revista que custava 16.500 Cruzeiros em agosto de 92, em setembro já custava Cr$ 25.000,00 (52% de aumento em três meses). Pior: o Presidente Collor, eleito como esperança de redenção do povo brasileiro, confiscou o dinheiro que tínhamos no banco e acabou tendo o mandato cassado.

Agora, decorridos tantos anos, estou convencido de que só sobrevivemos graças à decisão de nunca nos afastarmos dos objetivos que definimos para a Editora Europa no primeiro dia de funcionamento, no distante e conturbado 11 de dezembro de 1986. Estes objetivos são a nossa Constituição. A nossa carta de marear. A nossa Bíblia. Estão gravados em aço inoxidável (que não “enferruja”) e pregados em lugar de destaque na recepção da Empresa. Sempre que temos alguma dúvida ou nos sentimos tentados a mudar de rumo, paramos e relemos. Tem dado certo. Para dizer a verdade, certíssimo!

Por Aydano Roriz, Sócio Fundador
------------
Mais uma vez, agradecemos a confiança e credibilidade que a Editora Europa está depositando no Apenas Impressões Literárias.  

Rock on, abração carioca, bjins e inté...!
Equipe A.I.L 

[PARAFRASEANDO] Livros que Viraram Filmes 2


"A Morte e Vida de Charlie St. Cloud",
de Ben Sherwood
Capa do Livro (esq.) / Cenas do filme (dir.)

Qual é história? 
Charlie ganha uma bolsa para a faculdade em outra cidade e promete ao irmão que irá treinar com ele todos os dias até o momento que ele irá embora de casa. Mas com a morte trágica de Sam, a vida de Charlie muda completamente...

E o filme?
 Estrelando por Zac Efron, as gravações do longa ocorreram no Canadá. A compra dos direitos do filme custou quase 1 milhão de dólares. Muito dinheiro, né?


Por que ler e assistir? Apesar de triste, a história é tocante, o que vai deixar seus olhos grudados nas páginas. Já o filme é para aqueles dias que você está com aquela vontade de chorar (rsssss).

"Perks of Being a Wallflower", de Stephen Chbosky 
Capa do livro (esq.) / Cenas do filme (dir.)
Qual a história? É contada na voz de "Charlie", que escreve um monte de cartas para uma pessoa anônima, narrando o seu dia a dia na escola, com os amigos, com a família, entre outras coisas.O livro, no Brasil, foi traduzido com o título de "As Vantagens de Ser Invisível" mas não sabemos se o filme terá o mesmo título...



E o filme?
Ainda não se sabe muito mas o elenco está recheado de atores que todos conhecem: Emma Watson, Nina Dobrew e Logan Lerman. O filme estreia ainda este ano.

Por que ler e assistir? É uma espécie de clássico entre os adolescentes americanos e britânicos.



"Um dia", de David Nicholls
Capa do Livro (esquerda)/ Cenas do filme (direita)
Qual a história? Emma e Dexter estudam na mesma faculdade, se pegam depois da festa de formatura e acabam virando BFFs (Best Friends Forever). Eles amadurecem juntos, sempre preocupados um com o outro e, mesmo com a distância, passam anos se correspondendo. Os personagens se gostam tanto qeu até rola uma torcida para que eles fiquem juntos!

E o filme? Tem Anne Hathaway e Jim Sturgess como os protagonistas e foi lançado no Brasil em 2011. O mesmo, que ficou muito mais engraçado nas telonas, teve gravações na Escócia, França e em Londres.

Por que ler e assistir? Porque tanto o livro quanto o filme mostram que os maiores amores podem acontecer quando a gente menos espera. Além disso, deixa a gente feliz de ver a intimidade e tanta sinceridade que rola entre os personagens.


Rock on, abração carioca, bjins e inté...
Equipe A.I.L 

[LANÇAMENTOS & NOVIDADES #27] Louca pra Casar de Susanne Leinemann

LOUCA PRA CASAR
Susanne Leinemann

Nesse romance, cheio de pitadas de humor, a protagonista segue uma série de regras, supostamente infalíveis, para conseguir um casamento de sonhos


Nina tem um bom emprego e um futuro profissional promissor. Não se considera bonita, mas sabe que é atraente. Namora sem compromisso e curte baladas, de onde raramente sai sozinha. Quando se sente atraída, não pensa duas vezes em ir para a cama, até mesmo antes de saber o nome do parceiro. Às vezes se arrepende. Outras, não. Mas sempre se diverte.

No entanto, depois de completar 30 anos, Nina meteu na cabeça que precisa se casar. Sonha com um homem de boa aparência, cortês, educado, bem de vida e bom de cama. E vai à luta para conseguir o seu, munida das dicas, supostamente infalíveis, de uma bem-sucedida executiva da empresa onde trabalha.

Sobre a autora: Susanne Leinemann graduou-se em História na Friedrich Schiller University Jena, e cursou a escola Alemã de Jornalismo, em Munique. É colunista do jornal Berliner Morgenpost. Em 2011, com uma reportagem publicada na revista Time, venceu o Prêmio Henri Nannen, o equivalente, no Brasil, ao Prêmio Esso de Jornalismo. Louca Pra Casar é o seu terceiro romance.

Ficha técnica:
Título: Louca Pra Casar
Autor: Susanne Leinemann
Preço: R$ 29,90
Número de páginas: 304
Formato: 160 x 230 mm
Publicado no Brasil por: Editora Europa
Lançamento: 26 de abril
ISBN: 9788579601255

Onde encontrar: nas principais livrarias, no site da Editora Europa www.europanet.com.br/loucapracasar ou pelos telefones (11) 3038-5050 (SP) e 0800 8888-508 (outras localidades).



Sobre a Editora Europa
Fundada há 25 anos, a Editora Europa é uma empresa de capital 100% brasileiro. Atualmente, com mais de 100 funcionários, publica 16 revistas, afora guias, livros ilustrados e literatura.

Rock on, abração carioca, bjins e inté...
Equipe A.I.L

[CINEBOOK] "Valente", de Mark Andrews & Brenda Chapman

Poster nacional
Filme: "Valente" ("Brave", Disney / Pixar, 2012)
Elenco original: Kelly Macdonald (Mérida), Billy Connolly (Rei Fergus), Emma Thompson (Rainha Elinor), Kevin McKidd (Lorde MacGuffin), Craig Ferguson (Lorde Macintosh) e Robbie Coltrane (Lorde Dingwall) e participação especial de
Julie Walters

Direção: Mark Andrews & Brenda Chapman
Site oficial


Sinopse: Esta animação de longa-metragem conta a história da heroica jornada de Mérida, uma arqueira habilidosa e a filha teimosa do Rei Fergus e da Rainha Elinor. Determinada a trilhar seu próprio caminho na vida, Merida desafia um antigo costume sagrado dos indisciplinados e barulhentos lordes da região: o imponente Lorde MacGuffin, o carrancudo Lorde Macintosh e o intratável Lorde Dingwall. Porém, ao desejar conquistar algo de forma mais rápida, algo inesperado faz com que tudo saia do controle, transformando a vida de todos ao seu redor...
Merida fazendo o que mais gosta...
Trecho: "Há os que dizem que nosso destino está ligado a terra como uma parte de nós, pois somos parte dela. Outros dizem que o destino é entrelaçado como um tecido, de modo que o destino de um se interliga com os de muitos outros. É por isso que procuramos ou lutamos para mudar. Alguns nunca encontram. Mas há os que são guiados.” (Merida)

Resenha: OK. Peço a todos que olhem diretamente ao poster que está no início desta postagem. O que ele promete a todos nós? Aventura? Ação? Comédia? Tudo junto? Sim. Mas este filme não é sobre nada disso, mesmo que contenha todos os elementos citados acima.

"Olhe aqui, mocinha..."
Pra começar, temos de saber que a personagem Merida foi baseada na filha de Brenda Chapman (que criou o argumento de "A Bela e a Fera") - que ajudou a criar o argumento desse filme e iniciou na direção dele, sendo substituída por Mark Andrews (roteirista de "John Carter - Entre Dois Mundos") ainda durante o andamento da produção por conta de "diferenças criativas" por parte de Brenda (tanto que ela nem compareceu à coletiva de imprensa para promovê-lo).
Merida encontra o começo de todos
os seus problemas (ou não...!)
Notem que a sinopse oficial "esconde" o principal mote do filme, possivelmente para não afugentar o público... Esta é a primeira produção de época da Pixar e com protagonista feminina. Mas não é a primeira vez que uma produção deles tem problemas tão graves em relação ao roteiro. Algo parecido aconteceu durante "Toy Story 2" (que nem de longe lembra a inocência e inventividade do primeiro e teve de haver o belíssimo terceiro filme para corrigir esse grande erro) e "Ratatouille" (em que Brad Bird teve de substituir, às pressas, o diretor anterior - por conta das tais "diferenças criativas" - e, mesmo assim, produziu um filme mediano).
Família reunida
A real história de "Valente" é a seguinte: Merida é uma adolescente como qualquer outra que conhecemos. Brinca com os irmãos, gosta de empunhar seu arco e flecha, correr em seu belo cavalo Angus. Só que ela é uma princesa e precisa se comportar como tal para, um dia, substituir à altura sua mãe, a Rainha Elinor. E, num nada belo dia para Merida, seus pais lhe dão a "terrível" notícia: três reinos vizinhos aceitaram enviar seus príncipes herdeiros para disputarem a mão dela em casamento. E, claro, chegar à maturidade assim, sem nem um 'bom dia', não está nos planos de ninguém, muito menos de uma adolescente que quer mais é viver a vida como melhor lhe convém... Contrariando a vontade da família - e de um país! -, ela entra na disputa por sua própria mão... Só que, ao fazer isso, acaba desencadeando algo muito pior do que ela própria imaginava. Algo que transformaria não só a vida dela mas a de alguém muito querido. E, se não descobrir uma forma de reverter a situação, pode perder essa pessoa para sempre! Contar mais do que isso seria um baita dum spoiler...



Clã Macguffin
Clã Dingwal
Dentre os atuais filmes da Pixar, este é, talvez, o de temática mais próxima dos antigos filmes da Disney. Como os executivos aprenderam com os erros cometidos em "A Princesa e O Sapo" - onde a história era infantil porém seu vilão era deveras complexo -, tornar "Valente" muito sombrio não era a opção. Nota-se claramente a intervenção dos produtores na história, uma vez que, em determinados momentos, a obra oscila de clima, indo de ação à comédia, passando por momentos de aventura e momentos ternos. Esta obra também abre um grande parêntese para incorporar uma trilha sonora com canções mais parecidas com a Disney tradicional (interpretadas, em sua maioria, pela aclamada cantora galesa escocesa Julie Fowlis) com o que esperamos da Pixar - "Os Incríveis", "Wall-E" e "Up-Altas Aventuras" eram tão auto-suficientes em seus roteiros que não precisavam, em nenhum momento, reafirmar o modo de agir de seus personagens em canções do gênero.
Clã Macintosh
Seria injustiça de minha parte dizer que o principal problema do filme é seu roteiro. Ou melhor, a resolução dele.

(Tudo na história me lembrou - muito! - o filme "Sexta-Feira Muito Louca", com Jamie Lee Curtis... Só que sem a troca de corpos entre mãe e filha - acontece algo mais inusitado!)

O dilema da história começa com uma discussão de valores e metas de vida entre mãe e filha. Depois, passamos para a resolução de outro problema, provocado pelo primeiro. E depois passamos a esquecer tudo ao redor para resolvermos tudo apressadamente no arco final. Bem, mais ou menos. Deixar uma resolução em aberto - pelo menos, parcialmente - me parece, à princípio, cogitar a hipótese de seguir com as aventuras de Merida e companhia através duma série animada... Mas, claro, eu posso estar enganado.
Poster nacional

Porém, todos os problemas da história cedem lugar à beleza visual do filme. Um cuidado excepcional com o figurino é notado de imediato, assim como a transcendental trilha sonora orquestrada assinada por Patrick Doyle (de "Thor" e "Harry Potter e o Cálice de Fogo"), as lindíssimas panorâmicas que passeavam pelos quase oníricos cenários da Escócia e alguns interessantes momentos de humor - que poderiam ter sido melhor explorado, é verdade - fazem desse filme uma experiência deslumbrante em 3D, embora possa se perceber tudo isso sem o recurso em voga.

Filme para toda a família, mesmo que eu ache que os pequenos não vão entender do que se trata a história. Poderia ser muito melhor se deixassem a autora contar a história como ela queria. Afinal, ela conhece muito bem o que é ser mãe e mulher, algo que nenhum homem não faz nem ideia da dificuldade e a dicotomia disso... Mas eles são guiados pelo visual. Não pelo sensorial...

Kal J. Moon adoraria viver na época em que se passa o filme. Mas nunca, em hipóstese alguma, entraria na competição pela mão da princesa. Afinal de contas, ele seria o bobo da corte...

P.S.: Prestem muita atenção no curta "La Luna", exibido antes de "Valente". Não percam por nada nesse mundo, ok?
"Valente" Trailer Oficial

[AIL NEWS] O ME-LHOR filme do Justiceiro de todos os tempos!!!

Então, tá... Eu vi o filme estrelado por Dolph Lundgreen nos longínquos anos 1990. Também vi o filme estrelado por Thomas Jane E John Travolta (nusga!) no começo do novo século. Não quis ver o terceiro filme, com o ator-protagonista do seriado Roma. E não estava satisfeito com nada do que havia presenciado em relação ao personagem Justiceiro ("The Punisher", da Marvel Comics), exceto com o que já havia sido apresentado em várias histórias bacanudas nos quadrinhos velhos de guerra.

Quer dizer, até agora... Thomas Jane, que interpretou o personagem no segundo filme com um roteiro bem boboca, financiou e rodou um curta-metragem voltando à persona de Frank Castle como "um fan film de um personagem que eu sempre amei e acreditei – uma carta de amor para Frank Castle e seus fãs. Tive uma experiência incrível com todos os envolvidos no projeto, que participaram só pela graça dele. Foi divertido fazer isso do começo até o final e nós esperamos que os amigos de Frank se divirtam tanto assistindo quanto nós nos divertimos filmando".

E até Tio Ron Pearlman (o Hellboy do cinema) participa e dá todo aquele charme... Resultado: simplemente a melhor coisa feita com o personagem...! Ao final do curta, aparece o endereço dos perfis do Twitter dos envolvidos, caso alguém queira agradecer...

Assistam e confiram (em inglês sem legendas pra todo mundo tomar vergonha e aprender a língua dos Beatles e Rolling Stones):

#DIRTYLAUNDRY

[CINEBOOK] "O Espetacular Homem-Aranha", de Marc Webb

Filme: "O Espetacular Homem Aranha" (The Amazing Spider-Man, 2012, Sony Pictures)
Elenco: Andrew Garfield, Emma Stone, Rhys Ifans, Denis Leary, Martin Sheen, Sally Field, Irrfan Khan, Campbell Scott, Embeth Davidtz, Chris Zylka, Max Charles
Direção: Marc Webb


Sinopse: Recontando a origem do heroi, Peter Parker (Andrew Garfield, de "A Rede Social" e "Rio") agora tem por interesse romântico a bela Gwen Stacy (Emma Stone, de "Superbad" e "Zombieland"). Ainda mora com os tios, sofre bullying no colégio porém não trabalha como fotógrafo e, de forma ligeiramente diferente, tem o acidente envolvendo uma aranha que lhe confere seus poderes. Mas tudo vem a desmoronar quando tem contato com o Dr. Curt Connors (Rhys Ifans, de "Harry Potter e as Relíquias da Morte") na empresa OSCORP...

Resenha: - Veja, Kal... Gwen está debaixo da maior chuva e os cabelos dela não se molham...! Tô cada vez mais impressionada com os "efeitos especiais" desse filme... - disse Mac
- Ha! Se o problema fosse apenas esse... - respondeu ele, sarcasticamente.


Esse foi o diálogo travado entre este que vos fala e a fundadora deste querido blog durante a sessão deste filme. E já dá pra se ter uma ideia do que vem por aí... Mas para entender melhor porque esta história está sendo recontada, temos de voltar um pouco no tempo... Entra aí que eu dirijo...

"A gente pode sair pra... A gente pode
fazer outra coisa, então...", diz Peter a Gwen
O ano era 2007... Era o lançamento do filme "Homem-Aranha 3", ainda com Tobey Maguire interpretando o Amigão da Vizinhança e Sam Raimi na direção. A estreia foi recorde de bilheteria entre todos os filmes do heroi. Mas a reação da crítica e do público estava dividida... Um dos principais problemas do filme era justamente ter três vilões (Homem-Areia, Venom - que nem é chamado assim no filme - e o segundo Duende Verde) e uma história com muitas tramas paralelas não amarradas de uma forma correta. Em resumo: o filme não alcança o seu principal objetivo de entreter.

Raimi não gostava do vilão Venom. O personagem era produto dos malditos anos 1990, que geraram péssimas histórias em quadrinhos, insatisfação e afastamento do público leitor. O diretor foi obrigado a colocar o personagem no roteiro do filme como prova de que Avi Arad, presidente da Marvel Films, era quem mandava na produção. Ponto. Após o ocorrido, mesmo gerando muito dinheiro, o filme era um fracasso - tanto que comprei o DVD duplo encalhado numa grande loja do ramo a menos de R$ 9,90 dois meses após o lançamento!

Flash e Peter batem uma bolinha...
Em contrapartida, por conta disso, já se planejava o quarto filme da série, dando maior ênfase ao personagem Curt Connors - que se transformaria, finalmente no vilão Lagarto. Mas Raimi e sua equipe - atores inclusos - só retornariam se o diretor tivesse controle total para contar a história que quisesse, sem interferências. Óbvio que o tom de "eu te disse que ia dar m..." estava no ar e Arad, numa controversa decisão, despede Raimi e cia. anunciando que faria um "reboot" - ou reinicio - da série cinematográfica, recontando as aventuras do heroi a uma nova geração de espectadores.

E então pulamos para 2012. Justamente quando estreia um filme estranhamente familiar - até demais! - mas com outros atores e situações diferentes, embora partam do mesmo princípio. "Variações do mesmo tema sem sair do tom", como na canção dos Os Paralamas do Sucesso.  Com direção de Marc Webb (do filme romântico "500 Dias com Ela"), o foco é num romance bem sucedido de Parker e Gwen. Mas também temos a tal história não contada sobre os pais de Peter, mesmo que não se conte realmente nada de tão relevante assim...
"Vem comigo", diz Peter
"Não...", responde Gwen
Temos um novo casal - e, seguindo o exemplo da Saga Crepúsculo, engataram um romance na vida real - apresentando a personagem Gwen Stacy, filha do capitão de polícia Stacy e desejada por Parker a ponto dele colocar sua foto como wallpaper no computador e causando um certo constrangimento quando esse fato é revelado. Lindíssima, inteligente, perspicaz, teimosa mas muito, muito honesta e segura de si, ela foi, nos quadrinhos, o grande amor da vida de Peter. E ele, durante muito tempo, se culpa pelo o que aconteceu com ela depois - espero que não sigam o mesmo destino dela nas telonas...

Temos novos coadjuvantes, como o casal May e Ben Parker (defendidos por Sally Field e Martin Sheen), colocando um pouco de amor - e humor - na vida do jovem Peter. Temos o Dr. Curt Connors, falante que só, como vilão teatral... O roteiro não lhe aplica a devida dimensão dramática e ele faz o que pode, assim como o resto do elenco secundário.
Dr. Curt Connors
Porém, temos de discutir os tão falados efeitos especiais. Ah, que beleza... E tudo em 3D! Além dos saltos inacreditáveis - que nem vem a ser um problema uma vez que o personagem faz exatamente isso -, a estranha falta de medo repentino após receber seus poderes chega a espantar, tornando-o um personagem menos que humano em determinados momentos, fazendo-o saltar de alguns prédios tal qual um suicida para só disparar a teia instantes depois (só assistindo a cena para conseguir entender onde quero chegar).

O vilão Lagarto
Em outras cenas de "demonstrações de poder", Peter enverga o corpo como se fosse um personagem de desenho animado - em efeitos dignos do seriado "Chapolin Colorado" (eu não estou exagerando) - para provar que era àgil o suficiente para agarrar uma bola e ser arrogante o suficiente para fazer Flash Thompson (seu algoz no colégio e depois um de seus melhores amigos nos quadrinhos) sofrer uma humilhação perante ao time de basquete ou jogar uma bola e entortar uma trave de futebol americano como se fosse papelão - só que tudo isso de forma não-crível. Enfim...
"As mina pira...", diz Flash sobre porque está usando
a camiseta com o logo do heroi
"Mas, tio Kal... O filme é bom, pelo menos...???". Bem, isso depende do ponto de vista de cada um. Claramente, vemos o direcionamento para um filme destinado às crianças - jovem adquire poderes, usa-os, aprende lições sobre a vida, enfrenta vilão - que é detido em tempo hábil - e a redenção acontece sob o manto do sofrimento. A vida não é justa mas rende momentos felizes. Essa é a lição. Óbvio que muitas crianças e adultos riram e se esbaldaram com os momentos engraçados - mas por muitas vezes forçados - da história. Só que este foi um reinicio desnecessário e puramente mercadológico. Nossa opinião não será levada em conta porque a vida tem dessas coisas... "Contente-se com seu salário", disse um sábio homem, certa vez. E eu concordo que isso é um grande problema para muitas pessoas nesse mundo.

Kal J. Moon tá precisando escolher melhor o que ver no cinema pois foram três filmes ruins seguidos até agora... Xô, azar!!


Trailer oficial "O Espetacular Homem-Aranha"

[AIL NEWS] Novo poster do filme "O Hobbit"!!!

Primeiro cartaz de "O Hobbit -
Uma Viagem Inesperada"
"News, news... São sempre benvindas!!!", como costuma dizer nossa querida Mac. E dessa vez, é mais que benvinda a notícia de que as filmagens de "O Hobbit - Uma Viagem Inesperada" terminaram e que, junto com elas, veio a divulgação do poster lindíssimo do filme, com direito a aparição de Galdalf e tudo!!!

Pra quem não sabe, o livro do professor J. R. R. Tolkien será adaptado para as telonas por Peter Jackson (o mesmo diretor da trilogia "O Senhor dos Anéis", portanto, o projeto está em boas mãos) e chegará em muito breve a um cinema pertinho de vocês... E, claro, o AIL estará lá para fazer aquela resenha pro Cinebook... Enquanto isso, vocês, fiéis leitores, podem ir acompanhando a primeira de nossas matérias especiais sobre o livro aqui...

Kal J. Moon estará na primeira fila pra conferir cada fotograma deste filme sem piscar porque isso é sagrado...

[AIL NEWS] Assassin's Creed vai virar filme com Michael Fassbender

Ubisoft produzirá a adaptação sozinha, de forma independente

Marcelo Hessel
09 de Julho de 2012

O ator Michael Fassbender  vai produzir e estrelar uma adaptação ao cinema da série de games Assassin's Creed.

No ano passado, a Ubisoft negociava com a Sony Pictures para levar o jogo às telonas, mas a conversa não avançou. Segundo a Variety, a nova divisão de cinema da empresa, a Ubisoft Motion Pictures, vai então tocar o projeto sozinha. A DMC Film de Fassbender entra como coprodutora.

assassins creedA ideia é que a Ubisoft e Fassbender definam um roteirista e um diretor para o longa, e só então procurem potenciais distribuidores para lançar Assassin's Creed. Isso deve dar à Ubisoft um controle criativo sobre o filme maior do que normalmente se vê em adaptações de games em Hollywood.
Não há detalhes sobre a trama do longa.

Em Assassin's Creed, acompanhamos a história de Desmond Miles, um bartender em 2012 que descobre ser parte de uma linhagem de assassinos. Coagido pela megacorporação Abstergo Industries - a nova face da organização dos Cavaleiros Templários -, Desmond é colocado em uma máquina que desperta as memórias de seus antepassados e permite-lhe revivê-las pessoalmente.

A intenção da Abstergo é localizar no passado os "pedaços do Eden", artefato de grande poder, mas Desmond é resgatado pela Ordem dos Assassinos. Começa aí sua jornada contra os Templários em tempos distintos - como as Cruzadas, o Renascimento e a Revolução Americana - na pele de seus antepassados Altaïr ibn La'Ahad (no primeiro game), Ezio Auditore (no segundo) e Connor Kenway (no terceiro).

Leia mais sobre Assassin's Creed

Indicado por (Kal J Moon)

Fonte: Omelete.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...