Resenha "Adele", de Chas Newkey-Bruden

Capa da edição nacional
Título: "Adele"
Autor:
Chas Newkey-Bruden
214 páginas | Editora Leya | Biografia
Sinopse: A voz emocionante, os hits cativantes e a personalidade sensível de Adele já lhe renderam prêmios e grande popularidade. ela quebrou um recorde de 21 anos quando seu segundo álbum, 21, permaneceu no primeiro lugar das paradas britânicas por 15 semanas consecutivas. Um sucesso enorme, Adele tem dominado as paradas em 18 países. MAS QUEM É ELA? Existe, de fato, a suposta vida turbulenta que tanto inspira suas músicas tristes? Como ela superou os desafios que ameaçaram acabar com a sua carreira?
Trecho: "Adele trabalhava aos domingos no café de sua tia em Haringey, norte de Londres. Enquanto a adolescente atendia os clientes nas mesas, o rádio anunciava a parada de sucessos. ela tentava imaginar como seria ter a própria música entre as mais tocadas. Aos 22 anos, ela figuraria no topo das paradas do mundo todo. (...) Apesar de confiante e direta, também é humilde e centrada. Não aceita a descrição de 'cantora'. 'Sempre digo que sou uma moça que canta. Cantora é uma palavra muito grande pra mim. Minha interpretação de cantora pra mim é Etta James, Carole King e Aretha Franklin'"

Resenha:
Há quem diga que biografias só deveriam ser escritas após a morte do assunto principal. O motivo em geral é que ninguém costuma lançar biografias em partes. E contar a vida e carreira de uma artista tão jovem talvez seja um desafio e tanto. E neste livro, a máxima prevalece.

O belo olhar de Adele
Apesar da tenra idade, Adele Laurie Blue Adkins revelou-se uma grande artista na área musical em muito pouco tempo. Por causa da insistência de um amigo, gravou três músicas e adicionou num perfil da rede social MySpace. Como tudo o que é bom (e gratuito) na internet, as canções se espalharam com rapidez pelo mundo e ela começou a receber emails do mundo inteiro. O mais importante: gravadoras queriam conhecê-la e fechar contrato!

Curiosamente, ela achava que era uma brincadeira e ninguém queria realmente contratá-la. Esse amigo, que criou e atualizava seu perfil na rede social, convenceu-a de ir a uma dessas gravadoras, acompanhada (claro!) para avaliar o que tinham a oferecer.
Adele em pleno exercício do ofício
com figurino majestoso
 Mas não foi assim, de repente, que sua vida musical começou. Ela estudou numa grande escola-palco por alguns anos e não era ótima aluna. Detestava a burocracia acadêmica de algumas matérias e adquiriu alguns medos comuns a quem ainda não está preparado com responsabilidades inerentes a uma, então, incerta carreira.

Trabalhou como garçonete e atendente de loja de roupas. Chegou a pensar diversas vezes em desistir da música por achar que não daria certo. Morava com a mãe e dependia do conforto familiar pra se centrar em diversos momentos.

E, sim, as decepções amorosas de que tanto fala nos dois primeiros discos (19 e 21), foram tão ruins quanto qualquer pessoa que já sofreu por amor - ou pelo o que se convencionou chamar assim hoje em dia - pode imaginar ou aguentar.

Mas a vida deu um grande dom a Adele: transformar sua dor em ouro! Não falo "apenas" de dinheiro. Isso é irrisório perto de sua poesia. Sua primeira canção de sucesso - antes mesmo de ter gravado um disco inteiro - foi "Hometown Glory", que ela escreveu quando tinha 16 anos. Fez parte de programas famosos na Inglaterra e de seriados como "One Tree Hill", "Grey's Anatomy" e "90210" (a nova versão de "Barrados no Baile"). Mas ela tinha muito mais a mostrar. E conseguiu. Venceu um prêmio recém-criado na Inglaterra - e causou muita polêmica pois muitas pessoas disseram que foi tudo armado para promover o disco 19 - e, algum tempo depois, ganhou vários Grammys, revelando que o mundo amava a loira de manequim plus size que tanto aprendemos a admirar.
Após ganhar o Grammy
Este livro revela detalhes da infância e adolescência da cantora, passando pelos momentos de glória sob os holofotes até chegar ao seu amadurecimento profissional. Porém, o autor precisaria de um distanciamento maior em relação à biografada pois vemos claramente que ele é um grande fã e demonstra isso diversas vezes durante as descrições acaloradas, causando alguns momentos piegas e constrangedores. Em algumas frases, parece que está falando para conseguir aplausos como se fosse muito brilhante ao dizer frases como "Todos vão querer repetir o efeito Adele todos os anos, mas vai ser difícil. Até mesmo ela precisaria se esforçar e ter um pouco de sorte para fazer uma apresentação tão linda de novo. Mas ao menos pode dizer que já fez", referindo-se à lendária apresentação dela no prêmio Brits.

A parte de curiosidades também revela um incidente incomum no começo de divulgação do disco 19, quando a canção "Chasing Pavements" foi colocada como expressão idiomática no site "Urban Dictionary" (um 'dicionário' virtual onde usuários do mundo inteiro adicionam significados para palavras e expressões idiomáticas em inglês), com o 'pavements' significando 'homossexuais', algo que foi desmentido pela cantora, que foi usuária do site durante muito tempo antes da controversa inclusão do verbete preconceituoso...

Embora o texto de Burden seja burocrático e, às vezes, técnico demais, é uma boa leitura pra quem está realmente interessado em saber quem é a mulher que resgatou todo um gênero em pleno século 21. Leia e ouça com suas músicas no último volume!

Kal J. Moon não gostava de Adele até presentear uma pessoa muito especial em sua vida com o DVD "Live at the Royal Albert", que comemora o recorde de vendas do disco 21. Ele viu e ouviu as canções da gordinha sexy umas setecentas vezes. E se emocionou em cada uma delas...
 
Trilha Sonora: "Hometown Glory", Adele (ao vivo no Royal Albert)


                                  

Sobre o autor

Chas Newkey-Bruden é um biógrafo de celebridades e já escreveu as biografias de Amy Winehouse, Simon Cowell, Justin Bieber, Brangelina, The Wanted e Stephanie Meyer. Seus livros foram traduzidos para 13 idiomas. Ele é convidado frequente da BBC Radio London e colunista do Jewish Chronicle.


8 comentários :

  1. Sempre bom poder ler ótimas biografias e poder conhecer mais daqueles ídolos que nos emocionam seja com a música, ou outro tipo de arte.
    Muito bem colocado o texto sobre o assunto.

    Grande abraço
    satierff.blogspot.com
    @osatierff

    ResponderExcluir
  2. Oi Kal!
    Eu sempre gostei de Adele,realmente as músicas emocionam,adorei o post,não havia lido a biografia da cantora ainda e gostei bastante do que li.
    Bjos Fabi
    http://roubando-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Adele é realmente uma cantora incrível. Lembro que a primeira música dela que ouvi foi "Rolling in the Deep", e me encantei logo de cara. Depois, conheci um pouco mais do trabalho dela e me apaixonei mais ainda.
    Tive a oportunidade de ver o DVD "Live at the Royal Albert" e percebi um grande amadurecimento de Adele. Ela é daquele tipo de cantora que não aparece todo dia.
    Muito boa a crítica Karl, fiquei com muita vontade de ler este livro.
    Parabéns, já estou seguindo, até mais.
    http://daquioitentaanos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oh, que legal... Muitos fãs da Adele por aqui, hein...? Tb gosto muito dela e conheci mais de seu trabalho através desse DVD MA-RA-VI-LHO-SO! Que bom que gostaram da postagem... Em muito breve, teremos mais algumas sobre música por aqui - sempre quando tiver a ver com livros, claro... Abração carioca!(KJM)

    ResponderExcluir
  5. Excelente post, me fez curiosidade de ter a biografia. Ainda mais sendo da diva Adele. Bj.

    http://thamyrisaquino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Valeu, Myris, pelo elogio... Eu achei até mais barato na Livraria Nobel... De repente, é uma... Para ler em dias chuvosos, embaixo dum edredon... (KJM)

    ResponderExcluir
  7. Excelente post.Realmente Adele é uma cantora fantástica.Ao contráriao de muitas cantoras, ela conseguiu seu espaço pela sua voz e letras cheias de emoção.Sempre fui fã das músicas dela, tenho curiosidade em ler a biografia :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheci Adele com "Rolling in the Deep" mas depois do DVD no Royal Albert, minha vida mudou... Realmente, ela é só emoção! E tá na onda pq o próximo filme do James Bond tem abertura com música cantada por ela... (KJM)

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...