Cinebook #02: "Batman Ano Um"

Capa da versão
nacional
Filme animado: "Batman Ano Um" (Batman Year One, 2012)
Direção: Sam Liu & Lauren Montgomery
Duração: 64 minutos | Warner Premiere | Livre

Sinopse: Quando Gotham City precisa desesperadamente de heróis, dois homens tomam uma posição em nome da justiça... Bruce Wayne retorna para casa depois de passar anos no estrangeiro, para se tornar um combatente do crime, assim como o policial honesto, o Tenente James Gordon, que se muda para Gotham e encontra a corrupção em todas as esferas da administração. Quando Bruce se transforma no vigilante mascarado Batman, a cidade entra em convulsão, com a nova arqui-inimiga do herói, a Mulher-Gato, a máfia e mesmo Gordon se aproximando dele. Baseado na graphic novel escrita por Frank Miller e ilustrada por David Mazzuchelli

Resenha: Frank Miller trabalhava na Marvel Comics (editora que publica Homem-Aranha, X-Men, Homem de Ferro e, claro, Os Vingadores, dentre milhares de personagens) quando recebeu uma proposta irrecusável da concorrente DC Comics: escrever algo com Batman. Como era seu personagem favorito desde, bem, desde sempre, aceitou o desafio e criou a história "Batman - o Cavaleiro das Trevas", contando o futuro desse personagem após sua aposentadoria e seu retorno.

(não confundir com o filme homônimo pois nem a história é parecida, embora também conte com as participações do Coringa e do Duas-Caras...)
Com um texto afiado, antenado politicamente, ajudou a provar, de uma vez por todas que histórias em quadrinhos também poderia ser para adultos como toda boa literatura - mesmo que os personagens se vistam de forma ridícula... Sucesso de público e crítica, Miller foi convidado a escrever outra história com Batman. Desta feita, resolveu mostrar o passado do personagem, a história não investigada de como Bruce Wayne tornou-se o vigilante, como Gotham City era antes dele chegar e qual foi a reação do status-quo após isso ocorrer. E esta história chamou-se "Batman Ano Um". Se essa premissa soou familiar, isso deve-se ao fato de que foi baseado nesta história boa parte do roteiro do filme "Batman Begins" (de Christopher Nolan, 2005). E esse é o principal problema desse longa-metragem animado! Era mesmo necessário recontar essa história, uma vez que já a tinham feito, em parte, nas telonas? Sim e não.


Bruce Wayne durante seu treinamento

Sim porque o filme de 2005 não contou a história dos quadrinhos. Apenas utilizou muitos detalhes importantes, não sendo uma "transcrição" da mesma mas sim uma adaptação livre. Neste caso, o longa animado é completamente mais impactante por mostrar Gotham já nos dias sujos da corrupção desenfreada, dos policiais que mais se parecem com capangas e mafiosos que mandam na cidade como quem distribui cartas numa partida de pôquer regada a daikiris...

E também por mostrar um personagem subvalorizado em muitas histórias e tendo seu papel bem desenvolvido pela primeira vez: James Gordon (dublado originalmente por Bryan Cranston, mais conhecido por seu papel no seriado "Breaking Bad", pelo qual ganhou três prêmios consecutivos Emmy de Melhor Ator em Série Dramática). Isso porque "Ano Um" é uma história de Gordon, que conta como ele chegou à policial local transferido de outra cidade, com esposa grávida, tendo de lidar com tiras corruptos e uma administração que acoberta fatos e tramóias. Tudo isso e ele é o policial honesto, a versão John Wayne daquele que vai combater o mal com o bem a qualquer custo. Peraí, eu disse honesto? Bem, mais ou menos. Até o mais honesto dos homens sucumbiria uma hora e isso também acontece a Gordon. E esse "deslize" é algo que lhe custa algo bem precioso em determinado momento...

Gordon cuida da corrupção com muito carinho
(na mão direita) e amor (na mão esquerda)...
Bruce Wayne (dublado originalmente pelo sumido Ben McKenzie, que ficou mundialmente conhecido como o Ryan do seriado "The O.C - Um Estranho no Paraíso") fica em segundo plano - ao contrário de "Batman Begins" - pois o vemos em cenas esparsas tentando descobrir algo por que viver e dedicar-se. Daí, ele escolhe pelo vigilantismo quando entende que ajudar é o grande objetivo de sua vida. Mas pra manter o disfarce perfeito, ele não pode deixar que desconfiem o que ele faz à noite. Então, construir a imagem de "playboy-arrogante-e-bon-vivant" foi a escolha mais adequada. Numa determinada cena, envolvendo Gordon e sua esposa, isso fica mais evidente. E faz o espectador sentir nojo do que Wayne faz - embora seja mostrado de forma bem sutil.

(se alguém achou o Tony Stark / Homem de Ferro de Robert Downey Jr um "arrogante-charmoso-elegante" a la Dr. [H]ouse M.D., vai encontrar aqui um Bruce Wayne "escroto" - e isso é proposital!) 
Batman ao resgate!
"Mas, tio Kal... E por que não adaptar essa história em quadrinhos?", pergunta o incauto leitor. Bem, porque a história original não era suficientemente boa pra render pouco mais de uma hora de animação. O ritmo é lento - parecido com o de um seriado e, isso sim, seria digno de nota, adaptando, talvez, a revista "GCPD" (aqui, "Gotham City Contra o Crime"), mostrando o dia a dia dos policiais de Gotham às voltas com crimes comuns e se deparando com vilões como Coringa, Pinguim, Charada, Sr. Frio, dentre outros -, um tanto enfadonho e só melhora no terço final - e isso nem é grande coisa. A animação é eficaz, feita em grande parte na Coréia - com a derrubada do comunismo, tornou-se a opção de muitos centros de animação realizarem a produção de longas animados por lá - e não compromete o conteúdo, mesmo que o traço utilizado não lembre em nada as pinceladas do ilustrador David Mazzuchelli nos quadrinhos, mas isso seria pedir demais e tornaria o produto nada comercial.

E a versão nacional vem com um grande defeito: apesar de constar no rótulo uma lista de extras como os bastidores do longa e sua concepção, além de dois episódios do antigo desenho animado do Batman dedicados à Mulher-Gato, isso não vem disponível no conteúdo do disco! Temos apenas trailers diversos, prévia das animações "Grandes Astros: Superman" e "Lanterna Verde - Cavaleiros Esmeralda", fora o já tradicional "DC Showcase apresenta" com um curta-metragem de uma história da Mulher-Gato.

Resumo da ópera: diverte mas não tanto quanto qualquer um, fã ou não, gostaria. Fico imaginando o que as pessoas que assistiram "Batman Begins" e que não conhecem os quadrinhos vão achar do final deste longa animado. Vá e tire suas próprias conclusões...

Kal J. Moon é um vigilante mascarado que acorda todos os dias de madrugada... para escrever resenhas como essa! Santa ironia, Bá-ti-má! ("En-trei na feira da fruta...")

Trailer de "Batman Ano Um"

4 comentários :

  1. Então acho que pra mim vai funcionar... Sou um admirador do batman, principalmente quadrinhos, então, fiquei curioso pro final. Vamos ver o que ele reserva pra nós então.

    bjs ;*
    satierff.blogspot.com
    @osatierff

    ResponderExcluir
  2. Oi Kal!
    O Batman eu conheço,meu irmão mais velho guardou uma coleção de quadrinhos até os seus vinte e poucos e essa paixão passou para o meu filho.Concordo que os quadrinhos podem ser uma ótima leitura para adultos tb,sei por experiência própria.
    Se puder venha conhecer nossa nova parceira,Fabiane Ribeiro.
    Bjos Fabi
    http://roubando-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Marlo George19 maio, 2012

    Esse filme é foda! O curta da Mulher-gato (apesar do "Spiderman style") é foda! Falei pro falecido Quespaner sobre ele e acho que ele ficou bem interessado no pole dance que nossa musa faz nessa animação. Infelizmente o dia 11-11-11 foi realmente trágico pra nós. Podia ter sido só ficção e bobagem evangélica que eu nem ia me irritar...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...